Quanto ao nome, tem livros que mencionam que seu nome popular mais conhecido é gilbardeira, porém, há alguns livros traduzidos que chamam de gilbarbeira. Portanto consideramos que o certo é Gilbardeira, já que tradução não é tão confiável quanto às informações dos biólogos que trabalham com ela aqui no Brasil. Também porque no mesmo livro encontramos outros erros como Espirulina, quando estavam falando de Spirulina (a alga – cianobactéria rico em proteína). O nome dela em inglês contém “Buther”, que significa “Açougue”, porque antigamente nos EUA, os açougueiros usavam os brotos e folhas para passar nos talhos das carnes para limpeza.

É uma planta que hoje em dia pode ser usada racionalmente para o tratamento, principalmente de sintomas das varizes, hemorróidas e doenças que envolva pressão venosa.


Nome científico
Ruscus aculeatus, L.

Outros Nomes

Populares: Erva-de-basculho (ou dos vasculhos), Azevinho-menor, Pica-rato Farmacêuticos: Butcher’s Broom Extract/root, Hemodren Simple, Ruscorectal


Família
Liliáceas (Liliaceae)

Características

  • Arbustiva
  • Dá-se em regiões planas
  • Folhas persistentes

Componentes Químicos

  • Saponinas esteróides – Ruscogenina e neo-ruscogenina que são Saponósidos com geninas esteroídicas espirotânicas contendo até 6% destes.
  • Cumarínicos
  • Esparteína
  • Tiramina
  • Ácido glicólico
  • Flavonoides (com ação antiinflamatória)
  • Sais de potássio
  • Benzofuranos (ruscodibenzofuranos, euparonas)
  • Óleo essencial

Benefícios no organismo e propriedades medicinais

Anti-inflamatóriaDiuréticaLaxante

Possui ação venotônica, ou seja, melhora o tônus, ou é tônica para os vasos sanguíneos, melhorando a elasticidade para o bom fluxo sanguíneo. Os capilares (veias bem finas arteriais) são beneficiados. Evita a flebite, que é a inflamação na parede das veias.

Ativa os receptores Alfa-1, Alfa-2-adrenérgicos pós-juncionais, fechando e elastificando os vasos. Em estudos feitos em animais, constatou-se que é boa para sintomas de flebopatia crônica dos membros inferiores, ou seja, alivia as dores das varizes e doenças das veias.

Partes usadas

Rizoma e raiz (mas para fazer os medicamentos fitoterápicos, se extrai também das folhas)


Como usar / Chás e receitas

Como fazer o chá da gilbardeira? Não se pode usar mais de 11g por dia. Para fazer o chá (infusão), colocar 11g em 3 xícaras e meia de água e ferver por 6 minutos. Desligar e esperar amornar com a erva ainda dentro. Coar quando estiver morna e tomar 3 xícaras de chá por dia (somente isso para não ocorrer intoxicação).

Para fazer uma grande quantidade de uma vez, cozinhar 60 gramas em um litro, adicionando mais meia xícara (que será perdida pelo vapor) e ferver.

Outros usos da gilbardeira: Pode-se comprar em casas de produtos medicinais o Extrato seco, a pomada (para dor nas pernas, varizes, pruridos com extrato com glicerina a 10%), supositórios (que são feito em casa com 100 mg do extrato, para hemorróidas), ou até a tintura.

Observe que a tintura, como é forte, deve-se misturar à água. A cada ml da tintura, colocar 10 ml de água. Tomar até 120 ml da mistura ao longo do dia.

Prefira consumir alimentos ricos em vitamina C – Ácido ascórbico enquanto estiver em tratamento com essa planta

Como fitoterápico: Vende-se em cápsulas de 75 mg, 110 mg, 150 mg, 400 mg, 470 mg, 475 mg. Como extrato líquido e chá.


Pra que serve? (indicações)

artriteDor nas pernasHemorroidainfecção urináriaPruridovarizesVasoconstritoraVenotônica

    Cuidados no uso e advertências

    Os saponósidos da planta possuem ação irritante, portanto pode aparecer irritação no estômago, azia, quando em doses elevadas. Cuidado com crianças perto das plantas, pois foi relatado casos de intoxicação com vômito, com convulsão imediata, seguido de diarréia em alguns casos, quando elas consomem por acidente os frutos que encontram. Quando for usada como diurética, observar se o paciente tem doenças como hipertensão, doenças no coração, insuficiência renal. Também tem ação laxante.

    Não usar a gilbardeira enquanto estiver tomando remédios para hipertensão, pode ocorrer problemas.

    Os inibidores de MAO, ou IMAO, são medicamentos que atuam bloqueando a ação da enzima monoamina oxidase e são usadas no tratamento da depressão. Não usar a gilbardeira junto com esses fármacos para não ocorrer uma crise hipertensiva por causa da tiramina que se encontra na gilbardeira, podendo ocorrer dor de cabeça forte e até uma hermorragia cerebral.

    Gestantes e lactantes não podem usar

    Os efeitos a longo prazo não são conhecidos, portanto use com cautela.


    Localização

    Originária do Mediterrâneo e sul dos Estados Unidos. Mata atlântica à Europa Central e Meridional. Sudoeste da Ásia e Norte da África.

    Na natureza se acha em terrenos arborizados, com terra calcária. É cultivada como planta ornamental, apesar de ter poderes medicinais.Mas lembre-se, as que são plantadas no meio urbano não são boas para a colheita para fins medicinais. Encontram-se também em bosques, relvas, sebes em Portugal.


    Mais sobre esse assunto

    Estudos: Já houve um estudo descrito em um artigo científico sobre a ação da Gilbardeira associada com outros componentes. Foi feita uma combinação da gilbardeira com hesperidina e ácido ascórbico em pacientes com problemas venosos crônicos, também com varizes nas pernas, que é o que aparece em quem tem esse problema. Foi administrado 2 cápsulas com o Ruscus em 16,5 mg, Hesperidina 75 mg e Acido ascórbico 50 mg, três vezes ao dia nas refeições. Em um grupo de pacientes foi dado placebo (substância que não causa efeito algum) e em outro foi administrada a combinação, todos por dois meses com intervalo de 15 dias e mais dois meses de tratamento.

    Desde o início foi registrado os sintomas da doença, o diâmetro do tornozelo, etc. em todos os pacientes. Houve melhora dos sintomas nos pacientes que usaram a combinação, redução de câimbras, redução da sensação de peso na perna, da doença. Isso mostra que o remédio é ótimo para diminuir os sintomas.


    Fotos:

    gilbardeira ruscus aculeatus

    Última atualização: 28 de janeiro - 2016 às 12:00
    Lista das plantas medicinais de A a Z

    Continue lendo mais plantas com letra "g"

  • Guapa - Dracontium
  • Gilbardeira (Gilbarbeira)
  • Goma Arábica
  • Genciana
  • Grama (Francesa ou do campo)
  • Mais

  • Continue lendo mais artigos

    Sobre 

    Ciências Biológicas - UFPB e cia.
    Email: eversonsazevedo[at]gmail.com
    Siga-me!

      Me encontre em:
    • facebook
    • twitter