Alcachofra é aprovada pelo SUS para males do fígado

Alcachofra é o nome popular da Cynara scolymus, também conhecida pelo nome farmacêutico Herba Cynarae da família Asteraceae, com flores em capítulos como Girassol, onde as partes utilizadas na medicina tradicional são as folhas e as brácteas que tem propriedades amargas. Cresce até 1 metro, é perene e tem folhas compostas. Em alguns lugares do Brasil tem variações no nome como Cachofra, alcachofra-cultivada, alcachofra-hortícula. É nativa dos arredores do Mar Mediterrâneo, tanto do lado da África quanto do lado da Europa, porém introduzida para ser cultivada em países que possuem clima subtropical como o sul do Brasil. É uma erva muito comum, tanto que é indicada pelo SUS (Sistema Único de Saúde) do Brasil, sendo registrada em várias versões de formulários fitoterápicos, segundo a fitoterapia contemporânea. O gênero Cynara da alcachofra deriva do latim “cineris” (que significa “cinza”) onde era usada na adubação, e “scolymus” significa os “espinhos” das brácteas (bráctea é um vestígio de folha que envolve a inflorescência). É usada para aumentar a produção da bile, chegando a ter aumento de quase 150% após administração em relatos científicos. É uma planta segura de se consumir, já passou por muitos estudos.

alcachofra-cynara-scolymus

Alcachofra Cynara scolymus – Via: Star Environmental

Para pedra na vesícula, baixar açúcar no sangue e proteger o figado usar as folhas, para usar como nutritiva para alimentação, usar as brácteas mais carnosas.

Os principais componentes químicos estudados são ácidos fenólicos (clorogênico, cafeico, cinarina), lactonas sesquiterpênicas amargas, flavonoides (apigenina, rutina, hesperitina, quercetina, etc) fitosteróis, inulina e óleo essencial. Cinaropicrina, cinarina, escolimosídeo, etc…

Age principalmente como hepatoprotetora, destacando-se a cinarina, também com efeito colerético (age contra dispepsia), antioxidante e anti-inflamatória. É eficaz contra colecistopatia, reduz níveis de colesterol sendo usado o suco das folhas, e aumenta o colesterol HDL. Indicada para eventos hepatotóxicos, quando se está consumindo algo que pode sobrecarregar o fígado, contra hepatite, desordem biliares, mas também como estimulante do apetite por causa dos princípios amargos, ou do sistema digestivo agindo como laxante e diurética no sistema urinário. Para tratar de anemia usar as brácteas.

Como usar? Colher a planta, secar e picar usando 2g, três vezes por dia, ou fazer uma tintura com isso e tomar até 25 ml por dia misturado a água.

Sobre 

Ciências Biológicas - UFPB
Email: eversonsazevedo[at]gmail.com
Siga-me!

    Me encontre em:
  • facebook
  • twitter
Última atualização: 26 de novembro - 2017 às 5:53

Faça parte do nosso grupo no Facebook

grupo facebook

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.